Colóquio Habermas 2015

Clique aqui para baixar os anais do XI Colóquio Habermas e II Colóquio de Filosofia da Informação

Introdução

Os limites para a liberdade comunicativa?

O ano de 2015 teve como um de seus marcos iniciais a tragédia do assassinato de 12 jornalistas do Charlie Hebdo. Várias pessoas em muitos quadrantes do mundo se uniram em defesa da liberdade de expressão, ainda que em muitos casos com a consciência crítica da necessidade de uma ética na construção de tal liberdade, sem espaço para a disseminação de ódios ou intolerâncias.

Liberdade comunicativa não é liberdade de expressão. Não se trata da capacidade de poder usar o discurso, mas da capacidade deliberativa diante do discurso, de poder dizer sim ou não, na interação discursiva intersubjetiva que ergue pretensões de validade. Como chama atenção Siebeneichler (2014), a liberdade comunicativa está imbrincada em nossa capacidade de autoria responsável, sendo fundamental para a radicalização da democracia. A liberdade comunicativa não é uma condição metafísica, senão uma atitude do falante diante das circunstâncias, sendo ele mesmo, o falante, em relação a outro(s) falante(s) quem delibera sobre a razoabilidade das pretensões de validade erguidas em determinado discurso.

Habermas propõe simultaneamente a superação da visão antagônica das liberdades subjetivas (liberalismo) e da autodeterminação política (republicanismo). Para ele autonomia privada e pública são cooriginárias. A força cogente dessa cooriginariedade implica numa relação em permanente tensão, pois o consenso não é a ausência do dissenso, senão o cumprimento das exigências de nossa obrigação comunicativa. A interação entre autonomia privada e pública requer o reconhecimento de um conjunto de direitos subjetivos, fundamentais para o exercício da radicalização da democracia (Habermas, 1996, p. 122-123).

Os eventos na França são mais um exemplo de quão desmesurada, grave e assassina pode ser a intolerância. Deve ou não haver mecanismos sociais que constranjam os meios de comunicação a ter um comportamento minimamente em acordo à autoria responsável como proposta, por exemplo, por Habermas? Conceitos que se aplicam à performance moral de pessoas individuais devem servir a constrangimentos institucionais políticos e legais? Como traçar limites entre a linguagem crítica, bem ou mal humorada, e a ofensa e disseminação do ódio? Conceitos como autoria responsável e liberdade comunicativa favoreceriam a traçar tais critérios?

Estas questões estão na pauta mundial, quando da discussão da regulamentação dos meios de comunicação. Interessa-nos aprofundar este debate na comunidade de pesquisadores do pensamento habermaseano e da Ciência da Informação, na tradição do Colóquio Habermas que chega à sua XI edição, e do Colóquio de Filosofia da Informação, a realizar-se de 22 e 24 de setembro de 2015, no Rio de Janeiro.

Referências:

HABERMAS, Jürgen. Direito e democracia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1996. v. 1

SIEBENEICHLER, Flavio. Considerações sobre o conceito de liberdade comunicativa na filosofia habermasiana. Logeion, v. 1. n. 1, p 43-58, ago./fev. 2014. Disponível em: <http://revista.ibict.br/ciinf/index.php/fiinf>. Acesso em: 12 fev. 2015.

Artigos

(a lista de artigos do XI Colóquio Habermas será publicada em breve)

Galeria
12049421_10153693184621350_5623536636171065252_nFolder Habermas (Frente)Folder Habermas (Verso)

12049219_10153695738526350_7662393955880531000_n 12046856_10153695795736350_5573056368898611689_n 12043127_10153696550406350_2622509895469548825_n 12038500_914189751993418_1872331074947687233_n

12020056_10153717854841458_784764243718335998_n 12037983_10153696369786350_5872778588823736761_n 12003371_10153696542456350_9198742184281910882_n12003319_10153717854536458_4817664313644549743_n

12049313_914676218611438_7222135934571271836_n 12042673_914676321944761_4629801710272033057_n 12006202_914676298611430_2152420750878639361_n 11260588_1196486377028933_1792923788885655353_n12033095_10153695870911350_680482304138111430_n12011275_10153699688871350_7383630511929397900_n12046984_10153699860681350_2309043436613220800_n12038047_10153700216046350_5037948822012182465_n12032122_10153700273081350_8953965754290693842_n11933394_914230178656042_2669834764872972081_n12038107_914230088656051_3239002986846920654_n12038178_914230385322688_8620744715781515291_n12038483_10153700115186350_8291502611211921520_n

Hospedagem

Visando oferecer maior comodidade aos participantes do X Colóquio Habermas abaixo inserimos alguns hotéis do Rio de Janeiro.
Faça a sua reserva entrando em contato através dos canais do hotel escolhido.

Rede Othon

Reservas por adesão através da Central de Reservas da Rede
Telefones: 0800 725 0505 / (21) 2106-0200
e-mail: central.reservas@othon.com.br

• Leme Othon Palace

Endereço: Avenida Atlântica, 656 – Copacabana

• Califórnia Othon Classic

Endereço: Avenida Atlântica, 2616 – Copacabana

• Savoy Othon Travel

Endereço: Avenida Nossa Senhora de Copacabana, 995 – Copacabana

• Aeroporto Othon Travel

Endereço: Avenida Beira Mar, 280 – Centro
Rede Mirador

• Departamento de Reservas do Hotel Mirador

Telefone: (21) 2123-9292
e-mail: reservas@hotelmirador.com.br
Endereço: Rua Tonelero, 338 – Copacabana

• Departamento de Reservas do Hotel Majestic

Telefone: (021) 2108-9292
e-mail: reservas@majestichotel.com.br
Endereço: Rua 5 de Julho, 195 – Copacabana

Hotéis próximos a estações de Metrô

• Golden Park

(perto da estação Glória)
Rua do Russel, 374 – Glória

http://www.hotelgoldenparkrio.com.br

• Novo Mundo

(perto da estação Catete)
Praia do Flamengo, 20 – Flamengo

http://www.hotelnovomundo.com.br

• Atlantis Copacabana

(perto da estação Ipanema)
Rua Bulhões de Carvalho, 61 – Copacabana

http://www.atlantishotel.com.br

• Copacabana Mar

(perto da estação Cardeal Arcoverde)
Rua Ministro Viveiros de Castro, 155 – Copacabana

http://www.copacabanamarhotel.com

Hostels em Copacabana e Botafogo

• Vila Carioca Hostel
Rua Estacio Coimbra, 84 – Botafogo

http://vilacarioca.com.br/

• Cabana Copa

Travessa Guimarães Natal, 12 – Copacabana

http://www.cabanacopa.com.br

• Copa Fun Hostel

Rua Siqueira Campos Nº 214a – Copacabana

http://copafunhostel.com.br

• El Misti

Rua Tonelero 197 – Copacabana

http://www.elmistihostelrio.com

• Che Lagarto

Rua Santa Clara 304 – Copacabana

http://www.chelagarto.com/index.php/pt/hostels-suites-em-copacabana.html

Inscrições

As inscrições para o “XI COLÓQUIO HABERMAS: OS LIMITES DA LIBERDADE COMUNICATIVA & II COLÓQUIO DE FILOSOFIA DA INFORMAÇÃO” serão feitas no local. Não serão cobradas taxas. Serão fornecidos certificados aos participantes.

Local

Rio de Janeiro – RJ
Dias 22, 23 e 24 de Setembro de 2015

Endereço: Av. Pasteur, 458 – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/Unirio (Prédio do CCH)

Referência: 200m – próximo ao Pão de Açúcar

Ônibus: 107 (Urca- Central) – descer na parada do Pão de Açúcar

Metrô: descer na Estação Botafogo da Voluntários da Pátria; ônibus 513 (integração metrô-Urca); descer na parada do Pão de Açúcar.

Organização

Comissão Organizadora

Alessandro Pinzani
Clóvis Ricardo Montenegro de Lima
Delamar Volpato Dutra
Eula Dantas Taveira Cabral
Geni Chaves Fernandes
Jorge Atilio Iulianelli
Marcia Heloisa Tavares de Figueiredo Lima
Valéria Cristina Lopes Wilke

Secretaria Executiva

Selma Santiago

Colaboração/Apoio

Grupo de Pesquisa Filosofia e Política da Informação, do IBICT

Comissão Editorial
Clóvis Ricardo Montenegro de Lima
Elaine Hipólito dos Santos
Gustavo Guimarães Olaio
Tirza Cardoso Ferreira Rodrigues Vargas

Pesquisadores

Adilson Vaz Cabral Filho

Professor associado da Universidade Federal Fluminense, atuando no Departamento de Comunicação Social e nos Programas de Pós-graduação em Mídia e Cotidiano e de Estudos pós-graduados em Política Social. Pós-doutor em Comunicação na Universidade Carlos III de Madrid (2013), Doutor em Comunicação Social (2005) e Mestre em Comunicação Social (1995) pela Universidade Metodista de São Paulo e Graduado em Comunicação Social, habilitação Publicidade e Propaganda, pela Universidade Federal Fluminense (1992). Coordenador do EMERGE – Centro de Pesquisas e Produção em Comunicação e Emergência, além de pesquisador do COMUNI, grupo de pesquisa sediado na Universidade Metodista de São Paulo. Contemplado no Edital Jovem Cientista do Nosso Estado (período 2013-2016), pela FAPERJ. Membro associado da ULEPICC Brasil – Capitulo brasileiro da União Latina da Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura, tendo sido Secretário Geral da entidade de 2010 a 2014 e Presidente da entidade na gestão 2014-2016. Vice-coordenador da Seção de Comunicação Comunitária da IAMCR – International Association of Media and Communication Research desde 2012. Autor de livros e artigos em Políticas de Comunicação, com ênfase em Comunicação Comunitária, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas de comunicação, democratização da comunicação, apropriação social das TICs, comunicação comunitária e digitalização das comunicações.

Alessandro Pinzani

Possui mestrado em Filosofia – Università degli Studi – Firenze (1992) e doutorado em filosofia – Universität Tübingen (1997). Fez pós-doutorado na Columbia University de New York (2001-2002) e na Humboldt-Universität zu Berlin (2010-2011). Obteve a Habilitation (Livre-Docência) e a Venia Legendi em filosofia na Universität Tübingen (2004). Desde 2004 é professor adjunto de Ética e Filosofia Política da Universidade Federal de Santa Catarina. Desde 2008 é coordenador do Centro de Investigações Kantianas – CIK (Florianópolis) e desde 2003 é membro da Forschungsstelle für politische Philosophie da universidade de Tübingen. É pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico no nível 1D. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia Política, atuando principalmente nos seguintes temas: democracia, Maquiavel, Kant, Habermas, teorias da justiça e republicanismo.

Beatriz Busaniche

Licenciada en Comunicación Social por la Universidad Nacional de Rosario, Argentina. Magister en Propiedad Intelectual por FLACSO Argentina (Tesis sobre Derechos Humanos y Propiedad Intelectual calificada con Sobresaliente). Candidata al Doctorado en Ciencias Sociales en FLACSO Argentina (Tesis en marcha). Es docente en grado y posgrado. Docente de la Carrera de Ciencias de la Comunicación, Facultad de Ciencias Sociales. Universidad de Buenos Aires. Docente de Posgrado en las Facultades de Ciencias Económicas y Derecho de la Universidad de Buenos Aires. Docente en Posgrado en FLACSO Argentina, en la Maestría en Propiedad Intelectual y en el Posgrado en Comunicación y Cultura. Es líder pública de Creative Commons en Argentina. Trabaja para la Fundación Vía Libre, donde dirige proyectos y realiza activismo a favor de los Derechos Fundamentales en entornos mediados por nuevas tecnologías.  Es asesora del Ministerio de Educación de la Ciudad Autónoma de Buenos Aires en el área de educación informática para niños.

Charles Feldhaus

Possui doutorado em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina (2009). Atualmente é professor adjunto A da Universidade Estadual de Londrina. Coordenador da especialização latu sensu em filosofia moderna e contemporânea da UEL. É membro do Comitê de Ética na Pesquisa envolvendo Seres Humanos da UEL. Também é especialista em biossegurança. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Ética, atuando principalmente nos seguintes temas: boética, liberdade, legitimidade, liberalismo e arbítrio. Na UEL, leciona atualmente disciplinas na área de filosofia moderna, ética e filosofia política.

Clóvis Ricardo Montenegro de Lima

Graduado em Medicina na Universidade Federal de Santa Catarina (1986). Mestre (1992) e Doutor (2005) em Ciência da Informação na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre (1993) e Doutor (2000) em Administração na Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas. Pós-doutorado no Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (2010). Professor adjunto 2 da Universidade Federal de Santa Catarina (2006 a 2009). É pesquisador adjunto 2 do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia desde 2009. Coordenador do Grupo de Trabalho 5 – Política e Economia da Informação da ANCIB – Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação a partir de 2011. Tem experiência nas áreas de Ciência da Informação. Administração e Medicina. Tem abordado os seguintes temas nas suas pesquisas: agir comunicativo e discurso; aprendizagem e inovação; administração de organizações complexas e informação em saúde.

Delamar José Volpato Dutra

Graduado em Filosofia pela UCS, Bacharel em Direito pela UFSC, doutor em Filosofia pela UFRGS, com estágio de doutorado na Université Catholique de Louvain, Bélgica. Fez pós-doutorado na Columbia University (New York), tendo como tema “Dworkin’s Rationality of Adjudication and Habermas Critical Appraisal”. Fez também pós-doutorado na Aberystwyth University (País de Gales, Reino Unido), tendo como tema “Habermas s Critique of Kant and Hobbes”. É professor da Universidade Federal de Santa Catarina na graduação e no programa de pós-graduação em Filosofia, do qual foi coordenador nos anos de 2008 e 2009. Foi membro da comissão de avaliação da CAPES para a área de Filosofia nos anos de 2009 e 2010. Atualmente compõe a diretoria da ANPOF e é coordenador do GT Teorias da Justiça. É pesquisador do CNPq desde 1999. O projeto ora em curso versa sobre “A teoria discursiva do direito de Habermas e o positivismo jurídico”. Pesquisa sobre a fundamentação e a aplicação do direito, bem como sobre a relação entre moral e direito nas filosofias de Hobbes, Kant, Schmitt, Habermas, Hart e Dworkin. Publicou os livros “Razão e consenso em Habermas”, “A reformulação discursiva da moral kantiana” e “Manual de Filosofia do Direito”.

Eula Dantas Taveira Cabral 

Doutora (2005) e Mestre (2000) em Comunicação Social pela UMESP. Faz Pós-Doutorado em Comunicação na UERJ. Graduada em Comunicação Social, habilitação em Jornalismo, pela Universidade Federal do Amazonas (1997) e em Educação Religiosa pela Faculdade Batista de Teologia do Amazonas (1996). Jornalista e radialista registrada no Ministério do Trabalho. Trabalha no Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) como pesquisadora; responsável pela área de Comunicação da Coordenação de Ensino e Pesquisa, Ciência e Tecnologia da Informação do IBICT; e na gestão do Portal do IBICT, na área de Pesquisa e Pós-Graduação. Pesquisadora dos Grupos de Pesquisa: EMERGE – Centro de Pesquisas e Produção em Comunicação e Emergência – UFF e Ética e Política da Informação – IBICT, cadastrados no Diretório de Grupos de Pesquisa do Brasil do CNPq. Atua nas áreas de economia política da comunicação e da informação, políticas e estratégias de comunicação, grupos de mídia, tecnologias de informação e comunicação, mídias digitais, inclusão digital, comunicação científica, ciência da informação, jornalismo, publicidade e mídia brasileira

Flavio Beno Siebeneichler

Possui graduação em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro e doutorado em Teologia e Ciência da religião pela Universidade de Regensburg. Foi professor adjunto do Departamento de Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é professor titular da Universidade Gama Filho. Tem experiência na área da filosofia contemporânea, especialmente no campo da ética, da Teoria Crítica (teoria estética de T. W. Adorno ), da Fenomenologia (E. Husserl e P. Ricoeur), da Hermenêutica (H. G. Gadamer), da Teoria de Sistemas (de N. Luhmann) e da Pragmática, na linha de J. Habermas e de K. O. Apel. Neste contexto, sobressaem os seguintes temas: razão comunicativa; filosofia pós-metafísica que trabalha em conexão com as ciências humanas e sociais; busca cooperativa da verdade; interdisciplinaridade; estética crítica; filosofia do direito; mundo da vida e sistema, ética do discurso; justiça; responsabilidade solidária; perspectivas da democracia nas atuais sociedades pluralistas.

Geni Chaves Fernandes

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (1982), mestrado em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1993) e doutorado em Ciência da Informação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004). Atualmente é professor adjunto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro – UNIRIO. Principais temas: epistemologia da CI, análise da informação e do documento, biblioteconomia universitária e usos e efeitos sociais da informação

Henriette Ferreira Gomes

Professora Titular do Instituto de Ciência da Informação (ICI) da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Vice-Diretora do ICI/UFBA. Chefe do Departamento de Documentação e Informação do ICI/UFBA e docente do corpo permanente do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (PPGCI) da UFBA. Possui doutorado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2006), mestrado em Educação pela Universidade Federal da Bahia (2000) e graduação em Biblioteconomia e Documentação pela Fundação Escola de Sociologia e Política de São Paulo (1980). Tem experiência na área de Ciência da Informação, com ênfase em Mediação, Educação, Comunicação e Organização da Informação, atuando principalmente nos seguintes temas: comunicação, informação, educação, mediação, tecnologias da informação, documentação científica, organização da informação e fundamentos históricos e epistemológicos da Biblioteconomia e Ciência da Informação.

Jorge Atilio Silva Iulianelli

Possui graduação pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1989), mestrado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1998) e doutorado em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005). Atualmente é assessor pesquisador – Koinonia Presença Ecumênica e Serviço e professor assisente- rti da Universidade Gama Filho. Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em Ética, atuando principalmente nos seguintes temas: Ética do Discurso, Ética Aplicada, Ciências Sociais, Direitos Humanos, Educação Inclusiva, Juventude, Campesinato Latino-Americano, Ordenamento Político, Populações Tradicionais, Populações Afro-Brasileiras.

Jovino Pizzi 

Licenciado e Bacharel em Filosofia (1983) e em Comunicação Social – Jornalismo (1992); mestre em Filosofia (PUCRGS, 1992) e doutor em Ética y Democracia pela UJI (Espanha, 2002), onde foi pesquisador visitante por duas vezes (2005-2006 e 2007). Atualmente é professor da Universidade Federal de Pelotas, PPG em Filosofia e em Educação (mestrao e doutorado). Sua pesquisa centra-se especialmente na área de Filosofia Contemporânea, com ênfase na área da Ética, ética do discurso e em éticas aplicadas, com publicações na área (no Brasil, Europa e na América Latina). Autor de livros como: Ética do discurso. A racionalidade ético-comunicativa (1994); El mundo de la vida. Husserl y Habermas (Chile, 2005); O conteúdo moral do agir comunicativo (2005); Desafios éticos e políticos da cidadania (2006) – em conjunto com Cecília Pires; O mundo da vida. Husserl e a crítica de Habermas (2006); Ética e éticas aplicadas. A reconfiguração do âmbito moral (2006); Organizador do livro Diálogo Crítico Educativo. Um debate filosófico (2008); Diálogo crítico-educativo II: o sujeito educativo (2009) e Pensamento Crítico III. Utilitarismo e Responsabilidade (2011). A segunda edição do livro Ética e responsabilidade social saiu em 2009. Traduziu diversos artigos e os livros: Ética empresarial. Do diálogo à confiança (2008); Ética Intercultural (Re) Leituras do pensamento latino-americano (2010).

Luiz Bernardo Leite Araujo

Luiz Bernardo Leite Araujo concluiu o Doutorado em Filosofia na Université Catholique de Louvain (Bélgica) em 1991 e realizou estágios de Pós-Doutorado na mesma instituição (1998) e na State University of New York (2001-2002). Atualmente é Professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ) e Pesquisador do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Atua na área de Filosofia, com ênfase em Ética e Filosofia Política.

Luiz Sérgio Repa

Possui graduação (1995), mestrado (2000) e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (2004). Fez estudos complementares na Goethe-Universität de Frankfurt am Main. Atualmente é professor da Universidade de São Paulo e pesquisador do Núcleo Direito e Democracia do Centro Brasileiro de Análise e Planejamento (CEBRAP). Tem experiência na área de Filosofia, atuando principalmente nos seguintes autores e temas: Jürgen Habermas, Axel Honneth, teoria crítica, filosofia contemporânea e filosofia alemã.

Marcia Heloisa Tavares de Figueredo Lima

Professora associada e pesquisadora do Departamento de Ciência da Informação da Universidade Federal Fluminense, atua na docência dos cursos de Arquivologia, Biblioteconomia (1994-) e Mestrado em Ciência da Informação – PPGCI/UFF (2009-). Bacharel em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1982), especialista pela Universidade Federal de Viçosa, mestre e doutora em Ciência da Informação pela UFRJ (2004), tem experiência no ensino e pesquisa na área de Ciência da Informação produzindo reflexões principalmente nos seguintes temas: direito de informação, censura, memória e produção científica. Coordena o grupo de pesquisa “Do Direito à Informação à Informação sobre os direitos” e é pesquisadora junto ao Grupo Memória, Discurso e Informação, ambos do CNPq. Realizou estágio pós-doutoral e ganhou prêmio de pesquisa senior com estudos sobre Habermas.

Nythamar Hilário Fernandes de Oliveira Junior

Após cursar dois anos de Engenharia Eletrônica (Básico) na Escola Politécnica da FESP, fez graduação e mestrado em Teologia (Licence et Maîtrise en Théologie) na Faculté de Théologie Réformée d’Aix-en-Provence (1985, 1987), mestrado em Filosofia (Villanova University, 1990) e doutorado em Filosofia (Ph.D., 1994) pela State University of New York em Stony Brook. Tem pós-doutorado na New School for Social Research (1997-98), na London School of Economics e na Universität Kassel (2004-05, 2012), onde foi pesquisador bolsista da Alexander von Humboldt Stiftung. Tem sido Pesquisador do CNPq desde 1995. Foi professor visitante na University of Toledo, Ohio (EUA), em 2007-08, onde lecionou 11 disciplinas e conduziu pesquisa de pós-doutorado. Atualmente é professor adjunto da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Coordenador do Grupo de Pesquisa em Neurofilosofia (Instituto do Cérebro, InsCer) e do Centro Brasileiro de Pesquisas em Democracia, criado em 2009. Foi Coordenador do PPG em Filosofia e membro do Comitê de Ética em Pesquisa da PUCRS, e atuou como membro do Comitê Assessor da Área Filosofia junto à Capes (triênio 2004-06). Tem experiência nas áreas de Ética e Filosofia Política, atuando ainda nas áreas de hermenêutica, fenomenologia e idealismo alemão. Organizou 10 eventos internacionais e participou com apresentação de trabalho em mais de 50 eventos (sendo mais de 30 eventos internacionais). Orientou 21 dissertações de mestrado e 16 teses de doutorado (concluídas e publicamente defendidas). Publicou 3 livros, co-organizou 6 volumes e tem mais de 35 artigos publicados em periódicos nacionais e internacionais, tais como Manuscrito, Deutsche Zeitschrift für Philosophie, Veritas, Filosofia Política, Dois Pontos, Civitas, New Nietzsche Studies, International Studies in Philosophy, Comparative and Continental Philosophy e Rivista Internazzionale di Filosofia del Diritto, e mais de 15 capítulos de livro em coletâneas publicadas pela Blackwell, Presses Universitaires de France, W. de Gruyter e editoras universitárias nacionais e estrangeiras.

Ralph Ings Bannell

Possui graduação em Philosophy – University Of Stirling, Escócia e University of Berkeley, USA (1980), mestrado em Social And Political Thought – University of Sussex (1981) e doutorado em Social And Political Thought – University of Sussex (1991). Atualmente é professor associado e Diretor do Departamento de Educação da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Especializa em Filosofia da Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Racionalidade e educação; educação, ética e política; hermenêutica filosófica e educação; marxismo e educação; educação, cultura e comunicação; cognição e aprendizagem; linguagem, ação e mente. É autor do livro Habermas e a Educação, publicado pela Autêntica em 2006, co-organisador do livro Educação para a Cidadania e os Limites do Liberalismo, publicado em 2011 pela 7 Letras/FAPERJ, além de artigos e capítulos de livros nacionais e internacionais. Foi Visiting Academic (2010-2011) e Visiting Fellow (2014) no Institute of Education, Universidade de Londres. Também foi Vice Decano (Graduação), do Centro de Teologia e Ciências Humanas, na PUC-Rio, além de Coordenador do GT Filosofia da Educação da ANPEd e Presidente da Sociedade Brasileira de Filosofia da Educação (SOFIE).

Solange Puntel Mostafa

Possui Graduação em Biblioteconomia e Documentação pela Escola de Biblioteconomia e Documentação de São Carlos (1972), Mestrado em Ciência da Informação pelo Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (1981) e Doutorado em Educação (Filosofia da Educação) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1985), com experiência de Pós-Doutorado na Inglaterra, PNL, Londres. Atualmente é Professora da Universidade de São Paulo – USP- FFCLRRP Curso: Ciências da Informação e Documentação. Tem experiência na área de Educação e Comunicação com ênfase em processos de informação e comunicação, atuando principalmente nos temas do ensino e aprendizagem frente à novas mídias. Atualmente dedica-se à intercessão da Filosofia da Diferença como as Linguagens Documentárias e a Ciência da Informação.

Valéria Cristina Lopes Wilke

Professora Adjunta do Departamento de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro/Unirio. Doutora em Ciência da Informação pelo Instituto brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia/UFF (2009). Mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1996). Bacharel e licenciada em Filosofia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1991). Bacharel em Comunicação Social pela Universidade Federal de Minas Gerais (1984). Tem experiência na área de Filosofia, atuando principalmente nos seguintes temas: filosofia e informação, epistemologia e teoria do conhecimento, história e filosofia da ciência, texto fílmico, educação, memória e leitura. Diretora da Faculdade de Filosofia da Unirio.

Programação

PROGRAMAÇÃO XI COLÓQUIO HABERMAS: OS LIMITES DA LIBERDADE COMUNICATIVA & II COLÓQUIO DE FILOSOFIA DA INFORMAÇÃO

Horário 22/09/2015 Terça-feira 23/09/2015 Quarta-feira 24/09/2015 Quinta-feira
9:00h – 10:30h AberturaComunicações Coordenadas Comunicações Coordenadas Comunicações Coordenadas
10:30h – 10:45h Intervalo Intervalo Intervalo
10:45h – 12:15h Mesa Redonda “Liberdade comunicativa e autoria responsável.” –
LUIZ SÉRGIO REPAJORGE ATILIO SILVA IULIANELLI
Mesa Redonda “Mecanismos de regulação dos meios de comunicação” –
ADILSON VAZ CABRAL FILHOCLÓVIS RICARDO MONTENEGRO DE LIMA
Mesa Redonda “Ética e informação: entre a coragem e o direito à verdade” –
HENRIETTE FERREIRA GOMESSOLANGE PUNTEL MOSTAFA
12:15h – 14:00h Almoço Almoço Almoço
14:00h – 15:45h Comunicações Coordenadas Comunicações Coordenadas Comunicações Coordenadas
15:45h – 16:00h Intervalo Intervalo Intervalo
16:00h – 17:30h Comunicações Coordenadas Mesa Redonda “Os limites entre a crítica e o ódio” – RALPH INGS BANNELL

 

LUIZ BERNARDO LEITE ARAÚJO

Mesa Redonda “Dignidade e privacidade” – DELAMAR JOSÉ VOLPATO DUTRA

 

GILVAN LUIZ HANSEN

Clique aqui para baixar a lista das Comunicações Coordenadas

Submissão

Envio de trabalhos completos EXCLUSIVAMENTE pelo email: coloquioshabermas@ibict.br

Pesquisadores e estudantes de Pós-Graduação stricto sensu poderão submeter os seus trabalhos para serem apresentados nas sessões dos Colóquios.

Todos os trabalhos apresentados no Colóquio serão publicados, posteriormente, em anais sob a licença Creative Commons.

O período para o envio de submissões já está aberto.

Previsão de término das submissões: até 00h de 21/08/2015

Para utilizar o template clique abaixo:

Template – XI Coloquio Habermas

DA  FORMA DE APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS

Utilizem o template.

Os trabalhos devem ser enviados em arquivo tipo Word 97-2003, em forma de texto completo. A folha de rosto deve conter: Título do trabalho; Nome(s) do autor e co-autores; Filiação institucional de cada autor; Titulação de cada autor; E-mail de cada autor. O trabalho deve ter o formato A4, com 15 a 20 laudas, incluindo folha de rosto e referências. As margens: superior = 3,0cm; inferior = 2,0cm; esquerda = 3,0cm; direita = 2,0cm. O espaçamento entre linhas: 1,5 entre linhas, sem espaçamento entre parágrafos e com recuo de 1,25cm no início de cada parágrafo. A fonte deve ser: Times New Roman tamanho 12. As notas explicativas devem vir na página onde são inseridas (comando: nota de rodapé – fim de página). A estrutura do texto, numeração seqüencial dos itens, citações e referências devem seguir as normas da ABNT para trabalhos científicos.

Anúncios